Nós já falamos aqui inúmeras vezes que a imensa quantidade de dados disponível na internet, oriunda de cliques e outras movimentações online de toda e qualquer natureza, é uma matéria-prima extremamente valiosa quando processada pelas ferramentas de Big Data, que possuem a capacidade de organizar, analisar e extrair informações relevantes do que anteriormente era apenas um apanhado de dados desestruturados. No entanto, considerando que o número de dados produzidos cresce exponencialmente a cada dia, é possível compreender que uma única entidade, seja ela pública ou privada, não possua a capacidade de processar e extrair a potencialidade máxima de qualquer grupo de dados observado.

Essa tomada de consciência pode ser considerada o terreno fértil que impulsionou o surgimento do movimento de Dados Abertos, do inglês Open Data. A definição de Open Data é relativa a dados abertos, majoritariamente de origem do governo, que podem ser usados e distribuídos livremente por qualquer pessoa ou grupo para qualquer fim. Essa disponibilidade de dados possibilita que qualquer empresa, grupo de pessoas ou indivíduo possa acessar esse material e utilizá-lo no desenvolvimento de pesquisas, serviços e outros tipos de inovações capazes de melhorar a vida das pessoas.

Se você ainda não entendeu muito bem como isso funciona e quer saber mais sobre Dados Abertos, fica de olho no post de hoje que nós explicamos!

Dados abertos governamentais

O conceito de dados abertos é mais difundido quando falamos sobre dados produzidos por órgãos do governo. A ideia de dados governamentais abertos começou a se tornar mais popular em 2009, quando alguns países como Canadá, Estados Unidos, Nova Zelândia e Reino Unido começaram a se posicionar sobre a abertura de suas informações. Essa iniciativa é um dos pilares do modelo de Governo Aberto, que sugere que governos e órgãos públicos tornem acessíveis dados e informações sobre as atividades governamentais, encorajando o aumento do engajamento popular nos assuntos relativos à administração pública.

O principal objetivo ao disponibilizar tais dados publicamente é que os mesmos possam ser acessados por indivíduos que se interessem em utilizá-los como matéria-prima, tanto no desenvolvimento de serviços relevantes quanto na produção de uma nova categoria de informação, essa pronta para consumo, objetiva e compreensível por parte dos cidadãos.

Seguindo a tendência internacional, em maio de 2016 a então presidente Dilma Rousseff editou o decreto 8.777/2016, estabelecendo a Política de Dados Abertos do Poder Executivo Federal. Ao facilitar o acesso aos dados de órgãos e entidades da administração pública federal, o decreto buscava, entre outras coisas, aprimorar a cultura de transparência pública e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação nos setores público e privado, de forma a fomentar novos negócios.

Atualmente, os governos estaduais de Alagoas, Pernambuco e Rio Grande do Sul, por exemplo, também contam com portais online para a disponibilização de seus dados abertos, assim como as prefeituras do Rio de Janeiro e de São Paulo, além do Banco Central.

Na prática

Se você acha que para usufruir dos benefícios dos dados abertos é necessário acessar algum site do governo e mergulhar em um banco de dados gigante e enfadonho, está muito enganado. A verdade é que provavelmente a sua rotina já é impactada pelo Open Data e você provavelmente ainda nem se deu conta.

Os aplicativos voltados para itinerários de transporte público com o auxílio de GPS, por exemplo, foram desenvolvidos com o auxílio de dados abertos governamentais dos setores de transporte. Em um caso ainda mais corriqueiro, os partais de notícia costumam consultar bancos de dados abertos para a produção de reportagens e infográficos sobre temas como violência, saúde e educação.

Há ainda o caso do aplicativo Waze que, ao mostrar as condições de tráfego e rotas alternativas aos usuários, estabeleceu com a administração pública uma vida de mão dupla. Por ser um app de caráter colaborativo, ou seja, no qual os usuários compartilham informações em tempo real sobre o andamento do trânsito, o Waze repassa essas informações detalhadas aos órgãos públicos que, por sua vez, fornecem informações sobre pontos de obra e vias fechadas. É um clássico exemplo do que chamamos de uma win-win situation, onde todos os envolvidos saem ganhando.

Sendo assim, podemos afirmar que os dados abertos possibilitam o desenvolvimento de uma variedade de novas ações que impactam positivamente na vida das pessoas. Dessa forma, a democratização do acesso aos dados governamentais tem a capacidade de dar mais autonomia aos cidadãos, munindo-os de informações importantes para uma maior participação social, assim como de fomentar a inovação e a criação de novos serviços, gerando valor social e econômico.

BigData Corp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *