Sempre comentamos por aqui sobre os milhões (sem exagero) de rastros que deixamos na internet, seja através de navegação em sites, aplicativos, transações bancárias e etc., e a forma como os mesmos se tornam dados que alimentam o Big Data, aquele imenso amontoado de informações desestruturadas. Em tempos onde se fala tanto sobre preservar a privacidade de internautas e usuários de aplicativos, você já deve ter se perguntado se é possível minimizar a pegada digital que você deixa ao navegar na rede online. E para o alívio de todos, a resposta é sim! Mas como?

Por exemplo, você sabia que ao fazer o login em sites e aplicativos através das contas das suas redes, normalmente sem saber, você está cedendo suas informações, que muitas vezes não se restringem ao app em questão? Se você quer entender melhor de onde saem tantos dados e como fazer para preservar mais os seus, fique ligado nas dicas e informações que reunimos abaixo!

Como deixamos tantas pegadas para trás?

A cada passo que damos no universo online, uma pegada é deixada para trás. Todavia, de que forma isso acontece? Para responder a essa pergunta, é necessário que você saiba o que é tracking, ou rastreamento de navegação. No momento em que você visita um site, rastreadores (oficialmente chamados de “tecnologia de rastreamento de terceiros”) são armazenados em seu computador. O responsável pelo site define quais e quantos tipos de tecnologias de rastreamento de sites ela vai incluir. Um dos mais famosos rastreadores é o famoso “cookie”, no entanto ele está longe de ser o único.

Cookies: o que são, de onde vêm e o que alimentam?

Cookies são registros que o seu navegador mantém sobre os sites que você visita, compondo também o seu histórico de navegação. Dessa forma, toda vez que você volta a um site, ele consegue manter suas preferências de navegação, como idiomas, páginas mais visitadas, conteúdo de formulários preenchidos e, em alguns casos, logins e senhas de acesso.

Quando você entra em uma página e aceita os cookies para conseguir abri-lo corretamente, você está de acordo com o fato de receber os rastreadores que fazem parte dele, mesmo aqueles que estão lá para passar informações para empresas. Em linhas gerais, os cookies são um raio-X de todo o seu comportamento na internet.

No entanto, é preciso ter cuidado ao acessar computadores de uso compartilhado, especialmente no caso de acessar contas de e-mails e redes sociais. Se for esse o caso, lembre-se sempre de desabilitar/bloquear os cookies do seu computador, ou ao menos apagar os que foram registrados durante o seu uso, pois, caso contrário, alguém que acesse o PC depois de você poderá acessar suas contas ao entrar nas mesmas páginas.

Pesquisas no Google

Provavelmente você já reparou que, depois de procurar sobre um produto específico em portais de busca, o mesmo passa a aparecer insistentemente em anúncios. O motivo de isso acontecer é em razão da segmentação de anúncios baseada no seu histórico navegação. Na prática isso quer dizer que os anunciantes prestam atenção em todos os seus movimentos online para, na primeira oportunidade, oferecer itens ou serviços que você esteja buscando.

Uma das formas de evitar esse bombardeio de propaganda é utilizar uma janela de navegação anônima. Disponível em todos os grandes navegadores como Google Chrome, Mozilla Firefox e Internet Explorer, a janela anônima permite que você use a rede sem registrar cookies e histórico de navegação. Além disso, caso você use o Chrome, é possível impedir o acesso à coleta de informações acessando as configurações de privacidade do navegador, evitando assim que sua rotina online seja acompanhada.

Redes de Wi-Fi públicas

Quem nunca ficou empolgado ao chegar a um estabelecimento e perceber que o mesmo oferecia Wi-Fi grátis? Entretanto, saiba que o que pode parecer uma excelente oportunidade de economizar o seu pacote de dados pode sair mais caro do que você pensa.

Redes de internet sem fio que não possuem monitoramento de segurança são consideradas vulneráveis e podem colocar em risco suas informações, como logins, senhas, e-mails de trabalho e até dados bancários. Quando falamos dos riscos, nos referimos principalmente às redes de Wi-Fi gratuito de estabelecimentos pequenos, como bares, restaurantes e lojas, pois são essas que não possuem ferramentas de segurança e podem sofrer interceptações por parte de cibercriminosos.

Logo, a melhor forma de se proteger é evitar usar redes de Wi-Fi públicas, daquelas em que qualquer pessoa tem acesso à senha ou, ainda pior, dispense o código de login.

 

Pronto, agora que você já sabe quais são os hábitos que mais deixam pegadas digitais e como fazer para driblá-los, você pode se proteger e tomar mais cuidado com quem compartilha suas informações. E lembre-se: se para as empresas seus dados têm muito valor, para você a sua privacidade e segurança das suas informações não tem preço.

BigData Corp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *